Avenida da Liberdade

A artéria principal da cidade é a versão lisboeta da parisiense Champs-Elysées e conta, cada vez mais, com semelhantes lojas de luxo. De griffes de topo como a Louis Vitton ou a Prada,  a variadas lojas, a Avenida é hoje procurada por um turismo especializado da moda que aqui encontra a variedade e o preço ideais. O luxo destas lojas veio completar o já existente na hotelaria, uma oferta de requinte clássico e de cinco estrelas procurado por um turismo de topo, onde o hotel Tivoli é um exemplo.

Esta artéria da cidade é uma avenida arborizada, coberta de calçada portuguesa, com fontes e estátuas, entre as praças dos Restauradores e Marquês de Pombal.

Além da oferta de hotéis é também uma zona de escritórios, composta por belos edifícios clássicos, pontuados a estilo de art nouveau, entre outras novas construções de meados do século XX.

Servida por dois históricos elevadores, o da Glória faz a ligação com o Bairro Alto e o do Lavra sobe a colina do lado nascente para chegar à antiga freguesia da Pena, um bairro típico onde nasceu a famosa fadista Amália Rodrigues.

A zona ganhou nova vida cultural e noturna com a abertura de quiosques e esplanadas que se juntam à oferta de cinemas e teatros. Hoje é possível relaxar ao final da tarde numa das esplandas e quiosques e aí prolongar a noite com um menu diferente dj´s e música ao vivo a fazerem de cada quisoque um ambiente.

Avenida principal para quem quer chegar ao centro histórico e à zona ribeirinha de carro é servida por vários transportes, o metro é o mais rápido e conecta-se a norte, sul e zona limítrofe da cidade.