“Está o caos!” Lisboetas e turistas desesperam para apanhar transportes

“Péssimo, está a ser um dia péssimo!” João Póvoa precisa de estar o mais rápido possível na Avenida Infante Santo, onde tem um serviço da empresa para fazer, mas encontra-se a meio de uma fila com mais de 70 pessoas. ”Aqui no Cais do Sodré é terrível!” Indignado, o estafeta diz que tem sido “uma dor de cabeça” apanhar autocarro em Lisboa nos últimos tempos. “Já tenho perdido duas horas da Avenida da República até aqui e isso altera muito o meu trabalho”. Com a cidade cheia de turistas, a oferta de transportes começou a rebentar pelas costuras.

Entretanto já passaram dois autocarros sem que tenha conseguido entrar e João Póvoa começa a desesperar. Uma das razões que aponta para o caos são as obras e a falta de coordenação entre a Carris e a Câmara de Lisboa: “Têm de observar a situação e colocar algum ordenamento mais informativo, porque numa hora temos de apanhar numa paragem, noutra hora passam o autocarro para outra paragem. As pessoas têm de compreender, mas assim é inexplicável.“

Quem também não entende é Jorge Gomes. Hoje tirou o dia para ir ter com um amigo e o destino é a Avenida Infante Santo. Se a sua intenção era apanhar autocarro no Terreiro do Paço, mudou de ideias quando se apercebeu da situação. Andou alguns metros e não compensou: “Hoje está mesmo o caos!” Já está no início da fila, mas esperou quase meia hora. “Deviam avisar a população. Não sabia que ia ser assim. Fui mesmo apanhado de surpresa”, suspira.

De acordo com a Carris, “a dinâmica turística na cidade nesta época do ano, com as excursões e a chegada de grandes paquetes, geram picos de procura atípicos, que dificultam momentaneamente a utilização destes meios.” Questionada sobre o reforço da oferta face ao aumento da procura, a empresa assegura que apesar de existir “um claro aumento do turismo na época de Verão”, o número médio geral de passageiros nessa época é “acentuadamente inferior” pois existe “uma redução significativa dos passageiros habituais”.

Mas o problema não se restringe ao Verão. Gonçalo Morais precisa de levar o filho à escola. Costuma apanhar frequentemente o transporte nas paragens do Cais do Sodré mas é a partir de Maio que nota a sobrecarga nos autocarros com a chegada do calor e dos turistas. “Tem sido um entrave.” Na paragem há 20 minutos, já saiu da fila porque não consegue segurar o filho, cada vez mais impaciente. Começou a notar esta diferença nos transportes há um ou dois anos. “Com isto, o que eles ganham é que muita gente acaba por não pagar bilhete”, revela. Como solução só vê o aumento do número de autocarros e eléctricos, assim como a sua frequência.

Já reformados, Raúl Pereira e Angelino Anastácio querem aproveitar o dia e vão em direcção à Infante Santo. Na fila há meia hora, vão trocando palavras entre si sobre a longa espera. “Nem quero imaginar no domingo quando for para ir ver as marchas”, afirma preocupado Angelino. Impaciente, sugere que se crie uma outra via para os autocarros, para serem mais rápidos. O seu amigo Raúl responde-lhe: “Não vês que isso implica meter pessoal?”

Ao PÚBLICO, a Carris afirma que continua a manter “os níveis de oferta em todas as carreiras que mantêm níveis de procura elevados, procurando sempre que possível e dentro das suas limitações, compensar picos pontuais de procura.” Nesta época do ano, a maior procura assinala-se nos eixos turísticos que, segundo a empresa, se acentua entre a Praça do Comércio e Belém, nos acessos ao Castelo de São Jorge, nas carreiras de eléctricos (com destaque para o 28 e o 15) e nos ascensores e no elevador de Santa Justa.

A empresa afirma ainda que “procura sempre ir adequando a sua oferta de forma a minimizar estes impactos, mas face à limitação em termos de dimensão da frota e tripulantes afectos diariamente, e à imprevisibilidade de muitos destes constrangimentos, nem sempre é possível colmatar todas as situações.”

De máquina fotográfica ao pescoço, Joane veio de França para descobrir a capital portuguesa. Vai para Belém com um grupo de amigos e diz que os 15 minutos de espera não são de mais para quem está de férias. “Comprei o VivaCard no aeroporto, agora é só utilizar”.

Fonte:  Público

Anúncios