O paradoxo das casas de férias: os europeus que mais ganham são os que menos compram segunda residência

Um de cada seis europeus tem uma segunda residência. No entanto, a proporção é totalmente heterogénea entre países. Enquanto cerca de 20% dos portugueses, gregos, polacos, eslovacos e espanhóis afirmam ter dois casas, apenas 5,4% dos alemães, 5,6% dos holandeses e 7% dos britânicos possui uma casa habitação adicional. Factores socioculturais pesam muito mais do que o económico no momento de investir numa residência diferente da habitual.

E é que o salário médio não está diretamente relacionado com decidir comprar uma segunda casa. Entre os 12 países analisados, os que cobram ordenados mais elevados por mês (e logo por ano) são exatamente os que menos se animam a investir no imobiliário, e menos ainda na compra de uma casa adicional.

 

segunda_residencia_pt

Na Alemanha, onde um salário médio por mês que chega aos 2.609 euros/brutos, só 5,4% dos seus cidadãos se decidiram a compra uma segunda residência. A proporção sobe um pouco na Finlândia, que com 2.735 euros/brutos por mês, existem 12,1% dos cidadãos que são proprietários de duas casas.

Mas volta a cair com os holandeses, que são os que mais ganham (ver quadro), com 2.703 euros brutos por mês e apenas 5,6% dos seus cidadãos afirma ter duas casas, segundo um estudo realizado pela RE/MAX Europa.

A Suécia competa o grupo de países com salários mais altos. Com 2.617 euros/brutos por mês de média, somente 11,8% dos suecos diz ter duas casas. No Reino Unido, apesar de ganharem 2.596 euros brutos por mês apenas dos 7% cidadãos britânicos tem mais do que uma casa.

Pelo contrário, nos países com um menor salário medio bruto por mês contam com mais cidadãos que se decidiram por comprar uma segunda casa. Apesar dos graves problemas económicos e financeiros que atravessa a Grécia, nos últimos anos, 32,8% dos seus habitantes afirma ter duas casas. Seguem-se os polacos com 25,1% de cidadãos com duas casas, apesar de contarem com um saldo bruto por mês de 716 euros.

E no caso de Portugal, que surge a meio da tabela, 17% dos cidadãos afirmma ter duas casas, quando o salário bruto mensal pouco supera os mil euros.

Fonte:Idealista
Anúncios