Casas com bom Feeling

Tem apenas dois anos de existência mas a Homefeeling acredita que já faz a diferença no mercado imobiliário. Foi a segunda imobiliária independente a surgir através do Facebook,  redes sociais, com a finalidade de, em simultâneo, arrendar e vender imóveis. Aposta numa apresentação fotográfica apelativa, a Homefeeling procura diariamente reunir casas de charme, contemporâneas e veraneanas, inseridas nas melhores ruas e bairros, sendo novas ou em segunda mão, devidamente equipadas e prontas a habitar.

Jorge Almeida, CEO da empresa lembra que o negócio surgiu em resultado de um gosto muito especial por casas, decoração e remodelação de espaços. “A conjugação deste três fatores, permite à Homefeeling uma abordagem que a diferencia no que diz respeito ao conceito de ramo imobiliário”, refere.

A diferença está na forma como olham para o imobiliário e pretendem não ser só mais uma imobiliária. “Não é um simples negócio, é um projeto criado e desenvolvido com base no mais importante: um profundo gosto pela área, com tudo o que ela abarca – imóveis e pessoas que têm um sonho. Nada nos satisfaz mais do que realizar esse sonho e proporcionar aos nossos clientes a oportunidade de encontrar o seu ‘canto’, um espaço onde possam ser felizes”, salienta o CEO.

A existência de outras empresas nas redes sociais, aumenta a competividade

Apesar de já existirem algumas mediadoras a actuarem no mercado com as mesmas características, Jorge Almeida revela que “a existência de outras empresas nas redes sociais, aumenta a competividade, levando a que cada vez mais haja elevado cuidado com a apresentação, ao mesmo tempo que obriga as empresas a inovar, saber interagir com o público e estar na vanguarda no que diz respeito aos novos meios de comunicação e exposição.  Até há pouco tempo, só as empresas novas apostavam fortemente nesses canais de comunicação. Temos verificado um crescente posicionamento de empresas tradicionais nas redes sociais e um melhoramento na forma como procuram chegar a esses consumidores”, garante.

Cliente de redes sociais ou da web é, geralmente, um cliente muito bem informado

O responsável admite mesmo que o cliente de redes sociais ou da web é, geralmente, um cliente muito bem informado, sempre com uma alternativa em vista. A transparência e a disponibilidade para acompanhar esses clientes em busca dos seus ideais, é na sua opinião, fundamental. “O cliente tem de sentir veracidade, que o seu pedido foi compreendido e que nos daria um gosto muito grande poder proporcionar-lhe esse ‘sonho’. Se no final conseguirmos concretizar esse objetivo, ficaremos associados à historia daquela nova morada, o que para nós nos enche de satisfação”.

É no segmento de compra que se faz sentir uma maior procura

A Homefeeling tem também a possibilidade de se posicionar numa altura em que o mercado imobiliário começa a dar sinais de dinamismo e desde meados de 2014 que verifica um expressivo crescimento por parte dos portugueses na aquisição de casa própria, seja para habitação permanente, seja para investimento com a finalidade de arrendamento turístico ou de longa duração. “Mas é o crescimento na compra que mais se faz sentir hoje em dia. Arrendar uma casa através da Homefeeling, é muito fácil, mas é no segmento de compra que se faz sentir uma maior procura, apesar de diariamente recebemos mais pedidos para arrendamento do que para compra”, salienta.

Na sua opinião, um dos fatores que tem sido importante no crescimento da marca, é a oportunidade de colocar no mercado casas novas, com garagem; ou remodeladas com gosto e qualidade. Estes imóveis são muitas vezes adquiridos por investidores estrangeiros, que pedem para, posteriormente, os arrendarmos a valores competitivos. “A título de exemplo, chegámos a alugar casas novas, com excelentes acabamentos, arrecadação, garagem e, às vezes, terraços e piscina, em Lisboa, a valores a partir de 600 euros”, salienta.

Chegar ao Algarve e ao Porto

Para o futuro, Jorge Almeida quer estender a Homefeeling ao Algarve e ao Porto, já nos próximos meses. “ Depois disso, pretendemos entrar no mercado de arrendamento de curta duração, com soluções interessantes e inovadoras que possam aumentar a exposição de locais e ofertas fora de portas, para quem procura o nosso país, seja para passar férias, seja para investir em imobiliário”, esclarece.

 

Fonte: Diário Imobiliário

Anúncios